TOEFL®Junior™ e Primary™

Os exames de proficiência me língua inglesa agora fazem parte da Matriz Curricular do PGD!

Vestibular 2016

Nossos alunos já estão conquistando os primeiros lugares nas melhores universidades.

Intercâmbio na Inglaterra

Quer estudar, viajar e mergulhar na cultura e no aprendizado do inglês em outro país? Conheça nosso Programa de Intercâmbio para 2016!

Responsabilidade Social

Você também pode participar de uma das ações que ajudam crianças e adolescentes carentes através de ações como a Feira da Solidariedade e a Gincana PGD.

Acesse o SIA

Através do SIA, com login na área restrita, os pais podem acompanhar a vida escolar das crianças.

3 de maio de 2018

O que leva um adolescente a querer tirar sua própria vida? – Ana Macarini


Recentemente as famílias de um tradicional colégio da cidade de São Paulo foram diretamente atingidas por dois casos de suicídio, num período curto de tempo. Nos dois casos, aqueles que recorreram ao recurso extremo de pôr fim à própria vida, eram adolescentes, estudantes do Ensino Médio.
O luto vivido pelos pais, colegas, familiares, professores e demais funcionários da escola vem inevitavelmente acompanhado de muitas perguntas: Por quê? O que deixamos de perceber? De quem é a culpa? Havia como evitar?
Perder um filho é devastador. Ainda que os pais sejam muito idosos e o filho já seja adulto, ver um filho partir é uma experiência horrivelmente dolorosa para os pais; pois subverte a ordem natural da vida. Então, imagine a intensidade da dor daqueles que perdem seus filhos no ápice da vida; imagine o que é ter de lidar com a ausência de um filho jovem que escolheu não viver mais.
Os amigos, e mesmo os outros jovens que conheciam apenas de vista aquele que cometeu suicídio, veem-se numa situação de desequilíbrio emocional coletivo. Junto da dor, vem a curiosidade inevitável, posto que jovens são curiosos por natureza. E, não, não se trata de um comportamento desrespeitoso ou insensível; é a essência daqueles que ainda estão descobrindo a vida, buscando entender as fissuras dolorosas a que são submetidos.
Muitas vezes, aquele que partiu precocemente recebe do grupo muito mais atenção agora que já não está mais entre eles; passa a ser objeto de interesse; passa a fazer parte do imaginário; passa a ser o assunto mais frequente por muitos dias. No entanto, infelizmente, passado algum tempo, o fato será esquecido e, muitas vezes substituído por “questões mais urgentes” e que requerem a atenção daqueles que ficaram, como o vestibular, por exemplo.
O Ministério da Saúde divulgou recentemente dados alarmantes: o índice de suicídio cresceu no Brasil entre 2011 e 2015, sendo a quarta maior causa de morte entre jovens de 15 e 29 anos; o meio mais utilizado é o enforcamento; 35,8% dos casos estava ligado à depressão, sendo o maior percentual; em segundo lugar, aparecem transtornos decorrentes do uso de substâncias lícitas ou ilícitas. Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, a presença de um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) nas cidades reduz o risco de suicídio em 14%; no entanto, estas instituições só estão presentes em 2463 dos quase 6 mil municípios do país.
A despeito das impactantes estatísticas, o mundo evoluiu em termos de ações para a prevenção ao suicídio. Até a década de 1980, acreditava-se que a divulgação dos casos poderia incentivar a ocorrência de outros, por imitação; sendo assim, era habitual evitar falar sobre o assunto. Entretanto, estudos e aprofundamentos sobre o suicídio, avançaram; hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que PRECISAMOS FALAR SOBRE O ASSUNTO. Sabemos agora que a prevenção passa por um longo processo de pesquisas, desenvolvimento de programas de apoio e aconselhamento e muito diálogo entre todas a partes envolvidas: profissionais de saúde, educadores, familiares e os próprios jovens e crianças, inclusive.
Uma das questões apontada pelos pesquisadores alerta para o atual modelo de educação; estamos criando nossas crianças em bolhas blindadas de proteção; evitamos a todo custo que elas sofram qualquer tipo de aborrecimento ou privação. A consequência é que estas crianças chegam à adolescência precocemente em função do bombardeamento de estímulos externos e de uma cada vez mais prematura explosão hormonal, ao mesmo tempo em que não contam com recursos suficientes para administrar essas mudanças e sem praticamente nenhuma capacidade de lidar com as frustrações.
Junte-se a isso uma quantidade considerável de famílias desestruturadas, mais pais perdidos e com dificuldades para encontrar um equilíbrio entre liberdade e autoridade amorosa, mais uma estrutura educacional despreparada para lidar com esses jovens e crianças. Escolas muitas vezes omissas em relação às inúmeras demandas de seus alunos e não raras vezes sendo protagonistas na defesa de espaços educacionais que priorizam uma avalanche de conteúdos pedagógicos, muita pressão por resultados e nenhuma reflexão.
Não há fórmulas mágicas, não há sequer razões coincidentes entre todos os casos de suicídio. No entanto, a maioria deles tem relação com distúrbios mentais, como depressão e transtornos de ansiedade que podem ser causados por inúmeros elementos estressores, por desequilíbrio químico do cérebro e, também pelo consumo de álcool e drogas. Há ainda os fatores diretamente ligados ao cenário de convívio social dos jovens e crianças que vão desde a falta de atenção familiar à casos de Bullying.
Existe, inclusive, a hipótese de que o uso de alguns antidepressivos possa contribuir para que se instale o desejo suicida. Ainda não há pesquisas suficientes para que se estabeleça um consenso a respeito, mas consta na bula da maioria destes medicamentos que “casos isolados de ideação e comportamento suicidas foram relatados durante o tratamento”. Muitas vezes, o antidepressivo promove num espaço mais curto de tempo a melhora das queixas físicas; para só depois de algumas semanas começar a promover a melhora psíquica, e este descompasso pode fazer com que o paciente, sentindo maior vigor físico, saia da letargia depressiva ainda sem ter os transtornos psicológicos estabilizados.
Aqueles que planejam tirar a própria vida ou que estejam apenas cortejando a ideia não trazem isso escrito na testa, inúmeras vezes, inclusive, suas intenções passam desapercebidas. Porém, há sinais que podem indicar a presença de ideação suicida:

• Oscilações de humor
• Isolamento
• Alterações no sono
• Alterações no apetite
• Irritação ou explosões emocionais
• Queda no rendimento cognitivo
• Desinteresse por atividades que antes eram queridas
• Abuso de bebidas alcoólicas
• Prostração ou agitação excessivas
• Falas disfarçadas de ameaça (ao contrário do que diz o senso comum, quem quer se matar, muitas vezes avisa, sim!)

O assunto é extremamente sério, difícil, complexo e doloroso. E a solução passa por um movimento de ação conjunta de todos os setores da nossa sociedade. A morte prematura desses jovens é problema de todos e de cada um de nós. Que a exposição de suas vidas na mídia não seja apenas “mais um assunto de comoção geral”. Que as suas vidas tão precocemente interrompidas desperte em nossos ânimos uma vontade perene de evitar a todo custo que essa triste história se repita.

2 de abril de 2018

Alcoolismo Juvenil: Por que nossos jovens precisam se embriagar? – Ana Macarini


"Desculpe falar assim “na lata”, mas álcool é droga, sinto muito. Pior que isso, o álcool é uma droga lícita, aceita, louvada e, muitas vezes, seu uso é incentivado pelos próprios familiares. Para ficar ainda pior, custa extremamente barato. É possível comprar uma garrafa de cachaça em qualquer esquina do Brasil por menos de dez reais.
Beber álcool é um hábito visto com olhos muito pouco críticos, como se fosse algo inofensivo. Aliás, a grande maioria das pessoas acredita que diversão e vida social não são coisas possíveis sem um copinho de birita na mão. Bem… antes fosse apenas um copinho.
As bebidas alcoólicas constituem as drogas legalizadas mais consumidas em nosso país. Brasileiro parece ter absoluta certeza de que festa sem algumas doses, não é festa. Bebe-se antes, durante e depois das refeições, bebe-se para comemorar, bebe-se para relaxar, bebe-se para esquecer. Acontece que essa insanidade coletiva não fica apenas na conta dos adultos; nossos jovens estão adquirindo o hábito de beber cada vez mais precocemente.
Mas afinal, o que pode levar um jovem, em plena melhor fase da vida, com um corpo cheio de energia vital e com incontáveis possibilidades de escolha para passar o tempo e aproveitar a vida, a achar que é uma boa ideia entorpecer o cérebro e matar alguns muitos neurônios afogados em porres de vodka, cerveja e tequila?!
O jovem bebe porque tem acesso, porque tem exemplo e porque desenvolve a crença errônea de que ficar embriagado vai resolver seus problemas de autoestima, timidez e falta de desenvoltura social. Quando está sozinho e pode refletir, o jovem até sabe que o álcool é prejudicial e que aquele efeito entorpecente não há de ser benéfico. Mas, quando está cercado pela turma, a teoria morre afogada no primeiro “shot”.
Por lei, menores de idade não podem comprar bebida alcoólica no Brasil. No entanto, a coisa mais fácil do mundo é sair de um supermercado de ambiente feliz e familiar com garrafas e latinhas, cuja quantidade seria suficiente para deixar de pilequinho a vizinhança inteira. E, se a lei não é cumprida, quem vai se responsabilizar pelo consumo de álcool dos menores? A família, que anda cada vez mais omissa? A escola, que finge que não vê o problema? Os órgãos de saúde, que andam mais trôpegos que um bebum em fim de balada?
Basta dar uma chegadinha em qualquer festinha, barzinho ou balada frequentada por jovens com idade entre 13 e 17 anos para observar a quantidade de meninos e meninas embriagados, andando pelo meio dos carros, completamente desorientados, agarrados a litros de bebida, passados de mão em mão e tragados com desenvoltura, diretamente no gargalo.
Dados inéditos de uma pesquisa sobre o uso de drogas entre os alunos de escolas particulares da cidade de São Paulo revelam que um em cada três estudantes do ensino médio se embriagou pelo menos uma vez no mês anterior ao levantamento.
Uma pesquisa realizada pelo Cebrid (Centro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas) da Unifesp, ouviu mais de cinco mil alunos do ensino fundamental e médio de trinta e sete escolas particulares da cidade de São Paulo; os dados são alarmantes. Entre os estudantes do ensino fundamental (8º e 9º anos), o total dos que se embriagaram ao menos uma vez no último mês é de 24%. Os jovens ouvidos têm entre 13 e 15 anos.
O pileque, ao contrário do que muita gente quer acreditar, não é uma brincadeira inocente. Sua prática, em verdade, é uma consequência imediata do conceito absurdo que beber é uma prática social. Crianças brasileiras crescem assistindo seus familiares entornando copos de bebida nos mais variados eventos.
É por isso que nossos meninos e meninas chegam à adolescência acreditando que ter um copo de álcool na mão é símbolo de status e de maturidade. Acontece que essa crença distorcida pode vir acompanhada de tragédias anunciadas: jovens morrem atropelados por estarem embriagados, jovens atropelam pessoas inocentes por estarem embriagados, crimes de estupro e abusos crescem assustadoramente em ambientes regados a bebida alcoólica.
O uso costumeiro de álcool desencadeia um processo inflamatório no cérebro, alterando as reações químicas e, consequentemente, as ações provenientes de sinapses neuronais. Jovens habituados a beber têm prejuízos de memória, concentração, atenção e podem desenvolver distúrbios de aprendizagem e transtornos de humor.
E é por isso que nós, os adultos, precisamos acordar e entender que é nossa responsabilidade prevenir e proteger nossas crianças dos perigos iminentes que o uso dessa droga lícita pode oferecer. E acontece que campanha nenhuma vai funcionar enquanto as mídias sociais continuarem inundadas de publicidade que associa o consumo de bebida à prazer, poder e liberdade. Nada será suficiente para alertar essa garotada, enquanto ficar alcoolizado for uma prática recorrente em festas familiares."

Fonte: https://www.contioutra.com/alcoolismo-juvenil-por-que-nossos-jovens-precisam-se-embriagar/

2 de março de 2018

A geração dos imaturos para sempre – Ana Macarini


Estamos vivendo um movimento que lembra a força de uma epidemia. Vivemos cercados de pessoas acometidas por uma espécie de mistura de “Síndrome de Peter Pan”, com “Complexo de Cinderela”, mais uma pitada de “Jeito Pateta de ser” e um tiquinho de “Meu sonho é morar na Disney”. Isso até seria engraçado, se não fosse assustador. E trágico.
Há pessoas que simplesmente não encontram o caminho da maturidade. E nem é que não queiram crescer ou estejam perpetuando a adolescência para além dos trinta, quarenta ou cinquenta anos porque decidiram que é assim que tem que ser. Não! Nada disso!
Simplesmente não sabem como fazê-lo. Existe uma legião de perdidos num limbo da infância emocional eterna, alimentados por um estilo de educação familiar que não percebe o quão danoso pode ser a qualquer um de nós, ser poupado a todo custo de sofrer frustrações, de lidar com as negações, de enfrentar a vida por si mesmo.
Há milhares de famílias, que vão desde os menos favorecidos até os mais abastados, que insistem em criar seus filhos como se eles – os pais – fossem durar para sempre. Alimentam suas crianças e jovens com infinitas mamadeiras de dependência emocional, sob o pretexto de garantir que seus rebentos sejam absolutamente felizes, sempre felizes, todos os dias, o tempo todo.
O resultado de tamanha alienação é a ocorrência de meninos e meninas, que serão meninos e meninas para toda a eternidade. Recém-nascidos para sempre, que esperneiam quando algo não sai do jeito que esperavam. Que amarram a cara, quando não são imediatamente atendidos. Que não fazem a menor ideia de como todas as coisas que os cercam vão parar em suas mãos.
Meninos e meninas com vida sexual ativa. Meninos e meninas que não sabem dar importância ou valorização para a formação acadêmica. Meninos e meninas que chegam à vida adulta, sem ter a menor ideia do quanto de dinheiro é necessário para mantê-los. Meninos e meninas que se consideram adultos o suficiente para beber, para fumar, para amanhecer na rua e voltar para suas casas a hora que bem entenderem. Alguns com carteira de motorista em mãos, mas sem juízo suficiente para sentar-se atrás de um volante ou no banco de uma moto. Muitos, sem nenhuma noção de compromisso e responsabilidade. Perdidos.
E, não, não estou falando que as pessoas precisam viver de forma rígida e azeda. Não estou falando que é proibido ser alegre. Não se trata de não ter o direito de ser criança, ou jovem e se divertir e aproveitar essas fases tão maravilhosas e absolutamente necessárias para que um dia, surja um adulto inteiro.
O grande nó para o qual eu convido a uma boa reflexão é o fato de que estamos assistindo passivamente a inúmeras crianças e incontáveis jovens, sendo privados da experiência fantástica que é passar por essas fases e estar disposto a entrar em outras. Outras fases, tão ricas e bonitas quanto são aquelas pelas quais passamos em nossos anos iniciais.
Crescer é um direito! Amadurecer é tomar posse da própria vida. É ter a chance de fazer escolhas. É experimentar o prazer de andar com as próprias pernas. E errar. E acertar. E tentar outra vez, outra coisa, de outro jeito. Tenhamos a amorosidade necessária para abrir mão de congelar nossos filhos num tempo em que, depois de um tempo, o que era encantador certamente será ridículo. Tenhamos a sabedoria para dar a mão às nossas crianças na travessia da vida, sabendo que vez ou outra é com as mãos livres que se deve andar.

Calendário